Sociedade Filarmónica União Pedroguense

Clique na imagem para ver o tamanho original

A Banda da Sociedade Filarmónica União Pedroguense, está inserida no concelho de Torres Novas, na freguesia de Pedrógão. A maioria da população desta aldeia exerce a sua actividade na indústria e na agricultura. Esta freguesia situa-se a 7 km’s da sede de concelho, e a 40 km’s da sede de distrito (Santarém). Esta foi fundada em 5 de Novembro de 1874, sendo a segunda mais velha do concelho de Torres Novas. A sua primeira direcção era formada pelo P. Balão, Padre António Rosa de Carvalho, José Carlos da Silva Geada, Manuel Carvalho, Carlos Manuel de Carvalho, João de Carvalho e Manuel Mogo de Melo e Alvim. Os primeiros ensaios desta banda foram realizados na casa do Sr. João Geada. Mais tarde, pela necessidade de um espaço mais amplo, foi criada a primeira sede da banda, pois o número de executantes não parava de aumentar, actualmente, este espaço é chamado “Casa do Ensaio Velho”, a construção desta sede só foi possível depois de doado o terreno para este efeito e com a ajuda do povo que suportou o resto da obra. Mais tarde começou a ser construída a Casa do Vale (actual sede da banda), com o objectivo de ali se fazerem teatros e outras actividades recreativas. Foi para esta sede que foi transferida a banda, devido a problemas de herança, pois os seus herdeiros reivindicaram a pertença da Casa do Ensaio Velho. A certa altura, os directores tiveram alguns conflitos, o que originou a divisão dos próprios músicos, vindo cada uma a formar a sua própria banda. José Carlos formou a “Banda do Pau Teso” e João Balão continuou com a Sociedade Filarmónica União Pedroguense. No ano de 1899, a SFUP foi convidada a abrilhantar uma festa popular, numa aldeia próxima de Pedrógão. Ao voltarem a aldeia, encontraram a “Banda do Pau Teso” que os esperava à entrada do lugar com o objectivo de propor a João Balão para tomar conta das duas bandas, voltando a formar-se assim a Sociedade Filarmónica União Pedroguense. Ao longo da sua existência a banda passou por algumas dificuldades, ficado inactiva durante alguns anos, a primeira paragem foi por volta dos 30 anos da sua existência, outra paragem foi entre os anos de 1950 e 1959. Em 1992, tomou posse uma nova direcção que encontrou a banda num estado caótico, sem dinheiro, quase sem músicos, a sede degradada, o instrumental muito velho e em mau estado e uma grande dívida à Câmara Municipal de Lisboa (200 mil escudos). Com o aproximar do 100º aniversário da banda, alguns serralheiros da terra, ofereceram as portas e janelas para o início da reconstrução da sede. Para que as obras pudessem continuar, foi pedido um subsídio à Câmara Municipal de Torres Novas, o qual foi atribuído com carácter urgente. Terminada a fase das obras (que tiveram também o apoio da população), era necessário proceder à substituição integral do instrumental, pois o existente era do tipo “brilhante” (lá 3=452 Hz) que não conjugava com o de afinação “normal” (lá 3=440 Hz). Em 1993, aquando do aniversário da banda, foi apresentado o novo instrumental, que foi adquirido graças ao empréstimo de dois particulares. Em Janeiro de 2005, a banda deslocou-se a Setúbal com o fim de participar num encontro de bandas, o qual serviria para fazer um estudo etnomusicológico sobre bandas filarmónicas. Esta associação tem ainda uma escola de música, a qual prepara os jovens para ingressarem na banda. É actualmente professor e responsável pela mesma, o maestro Pedro Henriques, que tem como colaboradores dois elementos da banda, os quais têm formação a nível de primeiro ciclo e de educação musical. Actualmente, a banda é constituída por cerca de 35 elementos, com idades compreendidas entre os 9 e os 73.


Dados da Banda

Morada: Rua do Vale - Pedrogão de Aires
CP: 2350 TORRES NOVAS
Telefone:
E-mail:
Website: