CARLOS Manuel Pires MARQUES iniciou os seus estudos musicais na Banda Marcial de Fermentelos, tendo estudado clarinete e violoncelo no Conservatório de Música de Aveiro.

Obteve a licenciatura em clarinete pela Universidade de Aveiro (1996), e o mestrado em Psicologia da Música (2002) e o doutoramento em Psicologia (2007) pela Universidade do Porto.

Exerceu funções docentes no Conservatório de Música de Águeda (1996 / 2000), Instituto Piaget – pólo de Viseu (1998 / 2009), e foi director pedagógico da Escola de Artes da Bairrada entre 2003 e 2009, sendo director do Conservatório de Música de Aveiro a partir desta data.

Na qualidade de instrumentista obteve o 1º prémio ex aequo no concurso da Juventude Musical Portuguesa na categoria de nível médio de música de câmara (1990).

Desenvolve intensa actividade de composição e direcção, tendo sido premiado em diversos concursos nacionais e internacionais: menção honrosa no concurso de composição “Valentino Bucchi” em Roma (1992), o 1º prémio no concurso para jovens compositores promovido pelo Inatel (1994) como compositor da obra que foi executada pela Banda Sinfónica dos Jovens da União Europeia; grande prémio do concurso de composição “Maestro Silva Dionísio” (2004); e 1º prémio na 2ª edição do concurso de composição “General Firmino Miguel” (2007).
Foi sob a sua regência que a Banda Marcial de Fermentelos, obteve o 2º lugar na Secção em que participou (a 2ª) alcançado no “123º Certame Internacional de Bandas de Música da Cidade de Valência“ (2009).

Obras de sua autoria, para diversas formações, têm sido executadas em Portugal e no estrangeiro (França, Holanda, Hungria, Itália, Noruega, Inglaterra, Estados Unidos da América, Canadá, México e Venezuela.

Como conferencista convidado, apresentou diversas comunicações no país e no estrangeiro, e como autor escreveu artigos publicados em línguas portuguesa e inglesa em revistas da especialidade.

É presença regular em júris de concursos nacionais e internacionais de clarinete, composição e bandas.

Na sua actividade enquanto director artístico foi maestro principal da Banda Sinfónica da Bairrada (2004 a 2009), da Banda Marcial de Fermentelos (2007 a 2009), e maestro convidado da Orquestra Filarmónica 12 de Abril, de Travassô (2002 a 2005); entre 2008 e 2009 foi director artístico da Banda Além Tejo Música (BATM), na qual foi responsável pela formação de jovens instrumentistas e de maestros, sendo maestro principal da Filarmónica Infantil do Norte Alentejano (FINA) e da Filarmónica Juvenil do Norte Alentejano (FIJUNA).

Depois de aí ter desempenhado funções como director artístico e maestro principal entre 2007 e 2009, regressa à Banda Marcial de Fermentelos em Outubro de 2014, onde acumula estas funções à da supervisão da Escola de Música da colectividade.